Amaury de Carvalho sedia noite de autógrafos bastante participativa

Escrito por .::Boas Novas PB::. em .Postado em Eventos

Aconteceu na noite da última quinta-feira, (9/11), no Centro de Cultura Amaury de Carvalho, o lançamento de livros e uma noite de autógrafos e recitais, por parte do poeta, professor e pedagogo recifense, Jorge de Azevedo, que pela primeira vez visitou a cidade de Patos.

Os trabalhos do poeta, se relacionam aos valores da arte, literatura e a poesia da nossa região e tiveram início na última segunda-feira, (6/11), quando foi ministrada a palestra: “Felicidade não tem idade”. No dia (7/11), o poeta visitou o Centro Dia do Idoso, onde aconteceu a palestra/oficina: “O Soltador de Pipa”, realizada na Secretaria de Educação do Município de Patos.

A noite de autógrafos foi prestigiada por servidores das secretarias de Educação, Cultura, Saúde e Assistência Social, tendo como parceira a facilitadora Ilva Lacerda, irmã do ex-prefeito Ivânio Ramalho, além das secretarias municipais.

Nesta quarta-feira, (8/11), pela manhã, foi a vez da palestra: “Estímulo e Crescimento”, realizada no Centro Pop e a tarde, enquanto à tarde, a palestra “A Droga na Adolescência”.

Para o poeta pernambucano, o sentido real das poesias é trazer a reflexão sobre os valores da vida e a verdadeira utilização do talento em benefício da arte e da cultura. “Despertar a criatividade a partir de nossas próprias experiências ajuda a buscar o verdadeiro sentido da arte, e associar este aos valores da vida” afirmou.

Na quinta-feira, (9/11), foi realizada uma apresentação bastante participativa, com a participação de convidados lendo poesias e crônicas de sua autoria e em seguida, a noite de autógrafos dos livros.

Também aconteceu o lançamento dos livros Tardes Serenas-Poemas” e “Os passos de um Poeta Solitário-Poemas”. A vinda do poeta a Patos se completa com atividades desenvolvidas no próximo dia 10 deste mês, no CRAS Severina Celestino, no Morro.

Bancada da Bíblia obtém vitória contra deputados que tentam legalizar aborto no Brasil

Escrito por .::Boas Novas PB::. em .Postado em Eventos

O conceito de que a vida começa desde a fecundação do óvulo, e não no nascimento, é uma pauta defendida pela bancada da Bíblia na Câmara dos deputados há muito tempo. Nesta quarta-feira (8) essa definição foi incluída em parecer da comissão especial da Câmara dos Deputados. Essa comissão foi criada no ano passado, logo após a Primeira Turma do STF ter decidido pela descriminalização do aborto durante o primeiro trimestre de gestação.

O texto aprovado hoje poderá inviabilizar todas as formas de aborto no Brasil. O tema foi debatido longamente durante o dia e o parecer final acabou sendo aprovado por 19 votos a 1. Chamada de “PEC da Vida”, na verdade, o texto reúne duas propostas de emenda à Constituição (PEC), que tratam da licença maternidade, a 181/15 e a 58/11.

O relator da versão final, deputado Jorge Tadeu Mudalen (DEM/SP), optou por um novo texto, onde o princípio da dignidade da pessoa humana e a garantia de inviolabilidade do direito à vida, ambos já previstos na Constituição, deverão ser respeitados “desde a concepção e não apenas após o nascimento”.

A Frente Parlamentar Evangélica (FPE) travou uma intensa batalha contra os parlamentares de esquerda que defendiam o direito ao aborto. Encaminharam voto contrário ao parecer as bancadas de PT, PCdoB, PSOL e PPS.

No final, foi aprovado a extensão da licença maternidade, prevendo que o tempo de internação do bebê prematuro até a alta hospitalar, deve ser acrescido à licença de 120 dias da mãe. A definição de quando a vida começa será essencial para todos os debates sobre aborto daqui para a frente.

O deputado Mudalen que é ligado à Igreja Internacional da Graça, rebateu às críticas dos opositores: “Isso significa que nós somos favoráveis à vida”. Segundo ele, o Código Penal não será alterado pela proposta.

Diego Garcia (PHS/PR), presidente da Frente Parlamentar da Vida e da Família, que reúne católicos e evangélicos, foi um dos grandes articuladores pela aprovação da PEC da Vida, lembra que ainda há muito trabalho a ser feito, pois a oposição política é grande. “Não vamos mais jogar na defesa, vamos para o ataque para aprovar todos os projeto em defesa da vida e da família que estão parados na Câmara”, afirmou ele ao portal Gospel Prime.

O presidente da FPE, deputado Takayama (PSC/PR), comemorou: “Foi uma verdadeira guerra, mas conseguimos aprovar as duas PECs”. Em seguida, puxou o coro de “Vida Sim. Aborto Não!”, seguido pelo coro de alguns deputados.

Sóstenes Cavalcante (DEM/RJ) provocou os deputados pró-aborto: “agora vai ser desnudado, quem quer matar os indefesos e aqueles que querem ser contra as mulheres”.

Mais incisivo, o deputado Pastor Eurico (PHS/PE) afirmou que há uma “matança de fetos” e uma verdadeira “destruição em massa de inocentes no Brasil”.

A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 181/15, já passou pelo Senado e, desde o início deste ano, tem sido debatida na Câmara. A comissão prossegue agora com a análise de cada um dos destaques, o que deve ocorrer em 21 de novembro.

Votaram a favor da PEC:

Antônio Jácome (Podemos-RN)

Diego Garcia (PHS-PR)

Eros Biondini (PROS-MG)

Evandro Gussi (PV-SP)

Flavinho (PSB-SP)

Gilberto Nascimento (PSC-SP)

Jefferson Campos (PSD-SP)

João Campos (PRB-GO)

Joaquim Passarinho (PSD-PA)

Jorge Tadeu Mudalen (DEM-SP)

Leonardo Quintão (PMDB-MG)

Marcos Soares (DEM-RJ)

Pastor Eurico (PHS-PE)

Paulo Freire (PR-SP)

Alan Rick (DEM-AC)

Givaldo Carimbão (PHS-AL)

Mauro Pereira (PMDB-RS)

Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ)

Votou contra a PEC:

Erika Kokay (PT-DF)

 gospelprime.com

Traficante evangelizado por colega em boca de fumo se torna pastor e hoje resgata pessoas do crime

Escrito por .::Boas Novas PB::. em .Postado em Eventos

Um traficante que se converteu ao Evangelho hoje é pastor e atua evangelizando dependentes que criminosos envolvidos com drogas, contando seu testemunho de transformação. O pastor Alexandre Cardoso, 36 anos, era um dos traficantes pioneiros na zona leste de Manaus (AM), mas mudou de vida quando conheceu a Palavra de Deus. “Conheci as drogas com 14 anos. Depois de um ano consumindo maconha, pasta e cocaína, fui convidado para vender as substâncias”, afirmou.

Em entrevista ao portal A Crítica, Cardoso conta que no passado integrou o “Patinadores do São José”, um grupo que tinha o nome do bairro e foi o responsável por iniciar a venda de drogas naquela região da capital amazonense.

De acordo com o pastor, seu envolvimento com o tráfico durou dez anos, porém a dinâmica da venda de drogas era outra: “Quando alguém estava devendo a boca, o máximo que a gente fazia era dar uns tapas. Não existia esse negócio de sair matando. A gente nem mesmo tinha armas”, comentou.

Um amigo de Cardoso na época, também traficante, foi a ferramenta de Deus para que ele ouvisse a palavra do Evangelho: “Ele entrou na boca onde eu vendia e começou a dar o testemunho dele, leu a palavra para mim e nesse momento percebi que poderia ter uma vida diferente”, contou. “Comecei a frequentar a igreja e consegui deixar o mundo do crime. Desde lá dedico minha vida em estudar a Palavra do Senhor e pregar em locais de tráfico e prostituição”.

Como fez uma extensa rede de amigos no mundo do tráfico, o pastor Alexandre Cardoso tem facilidade para entrar nas chamadas bocas de fumo. Porém, isso também tem um lado negativo: viu muitos amigos e familiares perderem a vida na guerra promovida por conquista de territórios e dívidas de drogas.

Uma dessas vítimas foi um sobrinho do pastor, Luiz Henrique Cardoso da Silva, 21 anos, que foi executado há duas semanas com cinco tiros na cabeça,no mesmo beco onde o pastor começou o tráfico anos atrás.

Ainda assim, o trabalho de evangelismo tem dado frutos, e três pessoas que hoje frequentam a igreja da qual Cardoso é pastor foram tiradas do tráfico. Um deles é Vilmar Pedrosa, 24 anos, trabalhou para o tráfico a partir dos 13, e hoje mudou de vida: “Eu era o traficante de frente da rua. Escapei de morrer várias vezes por ter dívidas com os traficantes maiores”, relembrou.

Simetria trabalha com aulões para atrair participantes

Escrito por .::Boas Novas PB::. em .Postado em Eventos

Dando sequência as atividades realizadas em sua sede, situada a Rua Augusto dos Anjos, 994, a Simetria Academia vem realizando aulões de Treinamento Funcional e Hidroginástica, no sentido de ampliar o conhecimento da população em adquirir a prática de atividades físicas.

Recentemente a Simetria realizou um aulão de hidroginástica em sua sede, visando aprimorar o conhecimento dos praticantes sobre atividades físicas realizadas na água e ampliar o conhecimento de seus participantes.

Os trabalhos aconteceram sob a direção dos professores Loana Patrício, Thaís Albuquerque, Eli Alves e Raimundo Neto, todos educadores físicos regularizados junto ao Conselho Regional de Educação Física-CREF-PB.

Os trabalhos foram abertos ao público e utilizaram a piscina de dimensões 6×12, em atividades para o desenvolvimento corporal, utilizando acessórios como parte do treinamento funcional adaptado dentro da piscina, semelhante ao que se utiliza nas atividades de equilíbrio e força muscular no Treinamento Funcional.

De acordo com o professor Eli Alves, chamar a atenção dos participantes se faz necessário, e isso tem trazido um resultado bastante favorável. “O número de praticantes das modalidades aquáticas vem aumentando através da formação de turmas de segunda a sexta-feira e por isso, estamos abrindo ainda mais as portas da Simetria”, destacou.

Ainda segundo Eli, o trabalho é aberto as famílias e frequentadores que poderão ver de perto as atividades para conhecer o profissionalismo da equipe. “Tratamos com muito cuidado cada aluno e por isso, movimentos como força, resistência, flexibilidade, equilíbrio, disposição e melhoria da postura e da respiração, tudo é trabalhado pelos nossos orientadores, diminuindo assim, a frequência de lesões”, afirmou. Para maiores informações, basta ligar para 99956-1335 ou 98841-7413.

 

Número de evangélicos não para de crescer e pode já ter alcançado 30% da população brasileira

Escrito por .::Boas Novas PB::. em .Postado em Eventos

O crescimento dos evangélicos no Brasil continua intenso e segundo o último levantamento realizado em todo o país pelo instituto Datafolha, o número chega a 29%, sete pontos percentuais a mais do que o Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) registrou.

A pesquisa mostra que entre outubro de 2014 e dezembro de 2016, o número de católicos foi reduzido em pelo menos 9 milhões de fiéis, ou 6% dos brasileiros com idade maior que 16 anos.

O levantamento do instituto realizado há dois anos mostrava que 60% da população brasileira era católica – 5% a menos que o registrado pelo IBGE em 2010 -, hoje, porém, os seguidores da igreja romana somam 50% do total.

Nos últimos dois anos, o número de pessoas que dizem não seguir nenhuma religião passou de 6% para 14%. No entanto, o professor de sociologia Reginaldo Prandi, docente da Universidade de São Paulo, afirma que isso não significa que todos esses se tornaram ateus.

“Pode não ter religião hoje e ter amanhã. Ficou muito ao sabor da época da vida, dos compromissos que se quer assumir. A religião deixou de ser condição obrigatória para ser bom cidadão. Socialmente, a religião não tem mais papel nenhum”, teoriza o sociólogo em entrevista concedida ao jornal Folha de S. Paulo.

A matéria repercutiu dados do Centro Global de Estudos da Cristandade, que mostram que ao redor do mundo, os católicos crescem a taxas maiores que a população como um todo, mas em quantidades menores que os evangélicos, num movimento oposto aos dos não-religiosos, que crescem a taxas menores do que o número de pessoas que nascem a cada ano.

“O ritmo de crescimento da população total é 1,21% ao ano, o de católicos, 1,28%, o de evangélicos, 2,12% e o de pentecostais, 2,20%. As religiões independentes se expandem a taxas de 2,21% (chegando a 2,94% na Ásia). Já os sem-religião crescem 0,31% por ano, os agnósticos, 0,36%, e os ateus, 0,05%”, informa a Folha.

Por aqui, a redução percentual de católicos não é exatamente correspondente ao crescimento dos evangélicos, mas de acordo com informações do Pew Research, que se dedica a estudar os fenômenos sociais ligados à religião, metade dos brasileiros protestantes têm origem na Igreja Católica, onde foram criados.

Mesmo com todo o crescimento dos evangélicos, na Região Sudeste do Brasil houve redução no total de pessoas que se dizem ligados a igrejas dessa tradição cristã. Em agosto de 2006, nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo, os evangélicos somavam 51% da população, e hoje, são 43%, um recuo de oito pontos percentuais.

De acordo com o Instituto Patoensae de Pesquisa e Estatística, como a pesquisa foi registrada em dezembro do ano passado, atualmente o número de evangélicos no país já pode, respeitando a margem de erro, ter alcançado a casa de 30% da população, o que significa uma projeção de que 62.298.279 brasileiros, dentro dos 207.660.929 da nova estimatima populacional divulgada pelo IBGE, já possam ser evangélicos.

Informações: Datafolha.